speech for Peace

Last Monday we’ve met in Posterdam Platz in Berlin to share words and presence for the world peace, at World Wide Vote. I wrote this text below with all my heart, sharing learnings from my experience in this life. I share it here with you all, beautiful brave seeds, in Love and care we are birthing this new reality.

***
Good afternoon, dear friends,

I’m Jade Rainho and I’m here today to share with you all some lessons I gathered during my life until now.

I was born in northern Brazil, in the Amazon forest, in a town called Tucuruí. My parents met there doing volunteer work at an Assurini indigenous village. In 1985, the year I was born, the first major dam in the Amazon was inaugurated there, which destroyed much of the forest, drowned countless forms of life and displaced many native communities. The hydroelectric plant was built to provide a basis for the mining industry development in the country. The first of a series of dams that are severely hurting the green heart of the world.
I lived there during all my early chilhood and I still keep alive within me the memory of the forest’s great beauty. I remember the forest being right at the backyard of my house, so gigantic and vibrant, it delighted me so much! I felt it calling me, I wanted to go and be with it and all the multicolored singing birds that sang through it, all the animals staring at us, all the magical and mysterious world that was in it to discover. At the same time I felt that if I went into it, I would never want to come back again…
Today, looking to all this, I feel I am the daughter of the most sacred nature and also of largest environmental disaster.

When I turned 07 years we went to live in Mato Grosso. This Brazilian state is best known for having been ruled by the “King of Soya”, the world’s largest exporter. Almost all the cerrado, native local forest, was cleared to make way for accelerated growth of monoculture agribusiness. Fields and fields of the same landscape, lands and lands of a few owners and mechanized industrial production. Transgenic and very poisonous seeds to ensure maximum crop harvest. And the cerrado, contorted forest, which, as a monk told me once, looks like grown up bonsai trees, is becoming extinct without protection.

Living on these lands, before any of us, were indigenous tribes. Today, from over 1000 indigenous peoples there are only about 215, living in a situation of genocide and social limbo. Those people are condemned by a system of domination, exploitation, prejudice and exclusion in which laws and bureaucratic mechanisms maintain conditions of total inequality. Although Brazil’s 1988 constitution guaranteed the right of the demarcation of their lands within five years, few of them have been recognized until now.
The situation is of great barbarity: to get an idea, the Guarani-Kaiowá, ethnic group from which the majority of the population is already living in the margins of cities, has a life expectancy of 45 years, only comparable to the Afghan people. They live in a dreadful war, where many indigenous people are killed in land conflicts and there is no future life perspective, maintaining the absurd suicide rate of 01 person per week, which includes children from 09 to 14 years old. When they go to the cities, the Kaiowá are called “bugre”, a derogatory nickname that defines them as a sub-race. As if the skin color and descendance made a difference in who we are.

In my intent to act and help healing this terrible reality, in 2012, I offered my work as a documentary videomaker to a family of Guarani-Kaiowá shamans as a way to give them a voice and some channels to bring their stories to the public. In their village, they live with the harming impacts of illegal mining inside indigenous land for 40 years.

Despite all these people’s pain, as I was hearing their words and witnessing their gestures, I would always find sweetness, clarity and serenity. I’ve learned from the shaman named Bright Flower many things that concern us all. In my life path, I also always learnt from Mother Nature and from the study of philosophies that integrate and share knowledge from its contemplation.

_For the shaman Bright Flower and for the Kaiowá people, the cosmos is always in motion: everything changes all the time. All events, people and beings have equal importance. We are all linked to each other. The stone which the miner explodes to turn into asphalt also has a spirit. The earth is a living body, such as a human body, and everything is important and sacred in it. For the corn to grow healthy its spirit needs to be happy and in harmony with us, so the Kaiowá pray and sing to it, so it can feel all their love and gratitude and bring its peace on earth, shining in a joyful and abundant harvest.

_We are part of nature and all that exists. All together. One infinite. Everything dies and is reborn all the time. Inside and outside each one of us. In the coming and going of continuous flow in the river of life. As the seasons in nature, we are made of cycles, there are autumns, winters, springs, and summertimes in our souls.

_This life is a precious opportunity for us to learn and evolve together. At all times. With openness and love. Hearing the voice of a generous heart. Discovering within ourselves what makes us vibrate. The secure voice of an open heart always knows how to guide us and what to do. The heart is the drum of life, it has the power to resonate its pace. Our essential drum that creates movement and beat. Through its veins it feeds all meetings and destinations. It feeds the soul in many directions to expand life. In the purity of Love. In its eyes, everything that lives is holy.

For me, the deep suffering of indigenous people reflects directly the biggest mismatch of our time. The fast pace of life has isolated us in cities. Here everything is covered, enclosed, hidden. Nature is only allowed in small spaces. The gardens are imprisoned. In our daily life, we are just allowed to live with our desires and illusions. This limited life experience, in which we are only sharing with other humans and a few animals that we raise and tolerate close, is based on a fear of Being and learning from everything that we Are. Within the mystery of all things that our rational understanding does not reach in the first instance. As if Being was limited to immediate human experience …

I feel that now is the time of a great change, there is a great call for us to return to our Mother Nature. It is time to awaken to her, take care of her and learn with and from her. While the current society remain disconnected from this unity with all living things, great masters of nature, such as ancient forests like the Amazon, will be destroyed by an immediate and blind progressive civilization, sucking and extracting to accumulate and add value.

Forests are the source of everything. There are many medicines and ways of being living there that we still ignore. Abundant and precious life that needs to be cared for. Ground water, fauna, flora animals and native cultures. And lots of things from the great Spirit which we have not yet accessed because of the limits of our restless mind that still imprisons us within the perception of separation. Gradually we are liberating ourselves and expanding our consciousness to realize the inestimable immensity of all the blessings given to us by Mother Nature. These green sanctuaries of life: everything in them expresses love and harmony to heal and feed all forms of being.

We need to remember. We all have a purpose in being here. Each of us is different and special in our own way. To learn who we really are we need to give ourselves space and time to listen carefully to the voice of the open heart. We need to give ourselves permission to lose our shells and allow the breaks and deaths necessaries to be born like new sprouts to who we really are. And as brave seeds, we connect with our true essence, awakening to the infinite Love that live through us.

I am a human being. We are all humans, a big beautiful family spreaded around the Earth. But we are also also animals, plants, sons of nature and all pulsing life. I am with you. And together we are divine expressions of Love, Beauty, Art, Life. I look around at everything that lives, and all I see is Love, Learning, Beauty, Art, Life. Holy, Precious, Shining. This is our essence and we have the unique opportunity to get along with the differences, learn from them and enjoy the wonderful opportunity of being here together. Mother Earth is calling us to return to it, in harmony and balance and to heal ourselves together with her.

So I dream and I seek, every day in my heart and walk, to sow our bright garden. Free, loose, immense. Where we can all enjoy together the precious lessons of this life. Learning along with the essential nature. With no fear, no need to sort and limit the existence of things to feel safe. No, geographical, existential, human boundaries. No guilt and imposition. With acceptance and kindness.
I dream with the day we will hang out and learn the language of the birds, the flow of the fish, the presence of the ancient trees, the beauty of wild horses running freely…

FORÇA DA PAZ, CRESÇA SEMPRE SEMPRE MAIS! QUE REINE A PAZ E ACABEM-SE AS FRONTEIRAS NÓS SOMOS UM!

I sing for a free world. Without separation between what we are and everything else. Let us love as one. Give up the fears of the unknown. My heart beats with all of you. Beautiful, infinite, organic. In harmony and peace. Our hearts beat together the drum of life. Because we are here together and we are channels for more and more life. In eternity of the present moment, we live and plant our free garden.

There is no more time for lack of Love

Every life is an art piece

Together we are immensity

( ( ( ) ) )

Anúncios

fala pela Paz

Segunda-feira nos reunimos na Posterdam Platz em Berlim para compartillhar saberes e caminhos para a paz mundial. Escrevi um texto com todo meu coração, compartilhando aprendizados desta vida. Compartilho-o agora aqui com vocês, sementes valentes, só nosso amor e coragem podem gerar este novo mundo.

***
Boa tarde, queridos amigos,

Eu sou Jade Rainho e hoje vim aqui para compartilhar com vocês alguns aprendizados que recebi em no caminho de minha vida até aqui.
Eu nasci na região norte do Brasil, na floresta Amazônica, em uma cidade chamada Tucuruí. Meus pais se conheceram lá, fazendo trabalho voluntário em uma aldeia indígena Assurini. Em 1985, ano em que nasci, foi inaugurada ali a primeira grande usina elétrica da Amazônia, que inundou grande parte da floresta, afogou muitas formas de vida e desalojou muitas comunidades originárias. A usina hidroelétrica foi construída para dar base ao desenvolvimento da mineração no país. A primeira de uma série de usinas que estão a machucar severamente o coração verde do mundo.
Lá eu vivi toda minha primeira infância e guardo viva em mim a lembrança de sua grande beleza. Lembro de encontrar a floresta já no quintal da minha casa, tão gigante e vibrante, me encantava! Eu sentia seu chamado, queria entrar, ser com ela e com todos os pássaros multicoloridos que por ela cantavam, todos os animais que nos espiavam, todo o mundo mágico e misterioso que nela havia para se descobrir. Ao mesmo tempo sentia que se entrasse muito dentro dela nunca mais me interessaria por voltar…
Hoje, ao olhar tudo isso, sinto que sou filha da natureza mais sagrada e do maior desastre ambiental.
Quando fiz 07 anos fomos viver no Mato-Grosso. O estado brasileiro conhecido por ter sido governado pelo “rei da soja”, o maior exportador do mundo. Quase todo o cerrado, mata nativa local, foi desmatado para dar lugar ao crescimento acelerado da monocultura do agronegócio. Campos e campos de paisagens iguais, terras e terras de poucos donos e produção industrial mecanizada. Sementes transgênicas e muito veneno para garantir o rendimento máximo da safra. E o cerrado, mata contorcida, que um monge um dia me disse lembrar grandes bonsais, por não ser tão vistosa aos olhos menos atenciosos, a se extinguir sem proteção.

Dentro de todas essas terras, antes de todos nós, sempre estiveram as tribos indígenas. Hoje, de mais 1000 povos indígenas existem apenas cerca de 215, que vivem em uma situação de genocídio e limbo social. Estão confinados a um sistema estruturante de relações de dominação, exploração, preconceito e exclusão, em que leis e mecanismos burocráticos os mantém em completa condição de desigualdade. Apesar da constituição brasileira de 88 garantir o direito a demarcação de suas terras em 05 anos, até hoje poucas foram reconhecidas.
Uma barbárie tão grande que, para se ter uma ideia, os Guarani-Kaiowá, etnia em que a maioria da população já vive as margens das cidades, tem expectativa de vida de apenas 45 anos, só comparável a do Afeganistão. Lá se vive em uma situação de guerra desvelada, onde muitos indígenas são assassinados em disputas de terra e, sem perspectiva de futuro, sustentam o absurdo índice de suicídio de 01 pessoa por semana, que inclui crianças de 09 a 14 anos. Quando vão para as cidades, os Kaiowá são chamados de “bugre”, um apelido depreciativo que os define como sub-raça. Como se a cor da pele a descendência fizesse diferença no que somos.

Em minha busca de atuar e ajudar a curar esta terrível realidade, em 2012 ofereci a uma família de rezadores Guarani-Kaiowá o meu trabalho em vídeo-documentário como meio de dar voz e trazer a conhecimento público suas histórias. Em sua aldeia, eles convivem com as impactos nocivos da mineração ilegal dentro suas terras há 40 anos.
Apesar de toda dor desse povo, ao ouvir suas palavras e presenciar seus gestos, sempre encontrei doçura, clareza e serenidade. Aprendi com a rezadeira Flor Brilhante muitas coisas que abarcam todos nós. Em minha vida também busquei aprendizados junto à mãe natureza e o estudo de filosofias que a integram e compartilham conhecimentos a partir de sua contemplação.

_Para Flor Brilhante e o povo Kaiowá, o cosmos está sempre em movimento, tudo muda o tempo todo. todos os acontecimentos, todas as pessoas e seres têm a mesma importância. Estão todas ligadas umas às outras. A pedra que a mineradora explode para transformar em asfalto também tem um espírito. A terra é um corpo vivo, como um corpo humano, e nela tudo é importante e sagrado. Para o milho crescer bem seu espírito precisa estar feliz e em harmonia conosco, por isso eles rezam e cantam, para que ele sinta todo seu Amor e gratidão e pouse sua abundância tranquila sobre a terra, brilhando uma colheita alegre e farta.

_Nós somos parte da natureza e tudo que existe. Todos juntos. Um infinito. Tudo morre e renasce o tempo todo. Dentro e fora de cada um e nós. A ir e vir no fluxo contínuo do rio da vida. Assim como as estações na natureza, somos feitos ciclos, em nossas Almas há outonos, invernos, primaveras, verões.

_A vida é uma preciosa oportunidade para aprendermos e evoluirmos juntos. Em todos os instantes. Com abertura e amor. Ouvindo a generosa voz do coração. Descobrindo dentro de nós o que o faz vibrar. A voz segura do coração entregue sempre sabe nos guiar e o que fazer. O coração é o tambor da vida, ele tem poder de ressonar o seu ritmo. Nosso tambor essencial a espectrar movimento e pulsão. Por suas veias se nutrem destinos e encontros. A alimentar a Alma em direções e expandir a vida. Na pureza do Amor. Por seus olhos, tudo que vive é sagrado.

Para mim, o profundo sofrimento dos povos que vivem perto da natureza espelha diretamente o maior desencontro de nosso tempo. O ritmo acelerado desta vida projetada nos isolou em cidades. Aqui tudo é tapado, fechado, escondido. A natureza só é permitida em pequenos espaços. Os jardins são gradeados. Em nosso dia a dia, só convivemos com nossos anseios e ilusões. Essa experiência limitada da vida, onde só trocamos com outros humanos e os poucos animais que criamos e permitimos perto, é baseada no medo de Ser e aprender com tudo que somos. Com o mistério de todas as coisas que nosso entendimento racional não alcança em primeira instância. Como se Ser se limitasse a experiência humana imediata…

Sinto que agora é um tempo de grande transformação, há um grande chamado para o retorno a nossa mãe natureza. É tempo para despertarmos para o seu cuidado e junto dela aprendermos. Enquanto a sociedade vigente permanecer desconectada dessa unidade com todas as coisas vivas, grandes mestres da natureza, como as florestas milenares, como a Amazônia, serão massacrados por um progressismos civilizatório imediato e cego. Que suga e extrai para acumular e valorar desigualdades. Florestas são a fonte de tudo. Lá estão muitas medicinas e formas de sermos que ainda desconhecemos. Vida abundante e preciosa que precisa ser zelada. Água terra fauna flora animais culturas originárias. e muitas coisas da grande Alma que não acessamos ainda pelos limites de nossa mente agitada e que ainda se percebe separa. Aos poucos estamos nos liberando e expandindo nossa consciência para percebermos a imensidão incalculável de todas as bençãos que nos são dadas pela natureza. Estes santuários verdes da vida. Tudo nelas manifesta amor e harmonia a curar e nutrir todas as formas de sermos.

Precisamos nos lembrar. Todos temos um propósito em estar aqui. Cada um de nós é especial e diferente a sua maneira. Para aprendermos quem somos é preciso nos darmos espaço para ouvirmos atentamente a voz do coração. Nos permitirmos perder cascas sem feridas, todas as rupturas e mortes necessárias para brotar quem realmente somos. E como sementes valentes nos conectarmos com nossa verdadeira essência, desperta no infinito Amor que há em nossos corações.

Eu sou um ser humano. Somos todos humanos, uma grande família espalhada. Também sou animal, vegetal, filha da natureza e de tudo que pulsa vida. Sou com vocês e juntos somos expressão divina de Amor, Beleza, Arte, Vida. Eu olho em volta, em tudo que vive, e é tudo que vejo. Amor, Aprendizado, Beleza, Arte, Vida. Essa é nossa essência e temos a oportunidade única de convivermos com as diferenças, aprendermos e desfrutarmos juntos a maravilhosa oportunidade de estarmos aqui, juntos. A mãe terra pede para voltarmos a ela, em harmonia e equilíbrio, nos curarmos junto dela.

Por isso sonho e busco todos os dias, em meu coração e caminhar, semear nosso jardim brilhante. Liberto, solto, imenso. Onde todos podemos desfrutar juntos os aprendizados preciosos desta vida. Aprendendo junto a natureza essencial. O espírito presente das florestas anciãs guardiãs de todas as medicinas e muitas formas de vida que nem se quer fazemos ideia que existam. Sem medo, sem necessidade de classificar e limitar essa existência para nos sentirmos seguros. Sem fronteiras humanos, geográficas, existenciais. Sem culpa e imposição. Com aceitação e carinho. Sonho com o dia que poderemos conviver e aprender a língua dos pássaros, o fluxo dos peixes, a presença de árvores anciãs, com a beleza liberta de cavalos selvagens… tantos seres vivos e maravilhosos com que compartilhamos esta existência dentro da mãe natureza que nem consigo descrever a dimensão de sua força…

FORÇA DA PAZ, CRESÇA SEMPRE, SEMPRE MAIS! QUE REINE A PAZ E ACABEM-SE AS FRONTEIRAS, NÓS SOMOS UM!

Eu canto por um mundo livre. Onde não há separação entre o que somos e tudo que é. Amemos como quem abandona o medo do desconhecido e sabe do fluxo aberto que encaminha todos encontros e o brilho dos dias. Maior, infinito, orgânico em harmonia e paz. Meu coração pulsa por todos vocês. Nossos corações juntos ao tambor da vida. Pois estamos aqui juntos e somos canais de mais e mais vida. Na eternidade dos instantes inteiros, vivemos e plantamos nosso jardim liberto.

não há mais tempo para desamor

Toda vida é uma obra de Arte

juntos somos imensidão

Bright Flower at Holzmarkt Berlin!

Friends in Berlin,
today at 20h30, just before the game, we will be screening “Bright Flower and the scars from the stone” in Holzmarkt25.
Its for free and in an open air stage. Great chance to get to know more about the real Brazil that’s not in the soccer fields.

FLOR BRILHANTE E AS CICATRIZES DA PEDRA

Flor Brilhante no Museu da Língua Portuguesa, na Virada Cultural 2014

Toda minha gratidão e Amor profundo aos amigos que estiveram junto e tornaram este instante possível.

Levar Flor Brilhante à casa da poesia, vê-la refletir em tela grande e sermos contemplados com a apresentação magnífica de nossa canção “Meu Tekoha”, interpretada por Estela Ceregatti e Jhon Stuart, foi de uma eternidade radiante indescritível, destas que revelam o sentido do caminhar, dos desafios e todos os processos que nos movem como sagrados presentes da vida.

Sigo agora plena de luz e firmeza para continuar semeando esta história e movendo urgentes ventos de transformação.

não há mais tempo para desamor

juntos somos imensidão

Toda Vida é uma Obra de Arte

 

Meu Tekoha, Museu da Língua Portuguesa, Virada Cultural 2014

Instante sublime
Estela Ceregatti e Jhon Stuart apresentando a canção “Meu Tekoha”, tema do documentário FLOR BRILHANTE E AS CICATRIZES DA PEDRA no Museu da Língua Portuguesa
aqui para audição na íntegra

www.soundcloud.com/jaderainho/meutekoha