leitura surpresa de O aprendiz de signifações ou palavras regadas ao vento

Dias atrás despertei com esta surpresa emocionante. O aprendiz de signifações ou palavras regadas ao vento, poema de Canção da Liberdade, soprado na beira de um rio no MT por essa moça linda que até então desconhecia ˜ ˜
˜ que estes versos que tanto me ensinaram sigam inspirando outras vidas e caminhos ˜ gracias por tanto!!

Anúncios

Canção da Liberdade em exposição no MACP/UFMT

Que momento mágico!
Trechos de meus poemas astrofísicos de Canção da Liberdade acompanham uma obra da exposição CIÊNCIAS EM MOLDURAS, no MACP/UFMT, em Cuiabá, entre os dias 30 de outubro e 24 de novembro.

Agradeço demais Lívia Bertges pela curadoria e conexão. Senti uma sincronia maravilhosa entre o livro e a obra e é uma alegria ver este poema tão “estranho” observado e expandido 🦅

CIÊNCIAS EM MOLDURAS apresenta fotografias, instalações e poemas em diálogo com conteúdos vinculados às Ciências Exatas. A partir de experimentações estéticas sugere-se refletir sobre as noções de limite. A proposta visa um alargamento das concepções de limite em perspectiva ampla, com o enfoque nas relações humanas, espaciais, temporais e matemáticas.

A exposição coletiva e híbrida é uma realização do Projeto de Extensão FisicArte, do Instituto de Física, em parceria com o Laboratório de Arquitetura e Urbanismo (Lab-Au) e o Grupo de Pesquisa Semióticas Contemporâneas (SEMIC/PPGEL) da Universidade Federal de Mato Grosso.

Horários de visitação:
2ª e 3ª: das 8:30h-11:30h e 12:30h-17:30h
4ª, 5ª e 6ª: das 8:30h-11:30h e 12:30h-21:00h
Sábados: 13:00h-18:00h
Feriados: 14:00h-20:00h

#cançãodaliberdade #poesiamatogrossense #poesiaautoral#poesiabrasileira #poesiacontemporânea #jaderainho#juntossomosimensidão #MACP #poesiaastrofísica #poesiaespacial @ Museu De Arte E De Cultura Popular UFMT

Canção da Liberdade no mundo

Esta semana Canção da Liberdade voou para o RJ, Argentina, Uruguai, Bélgica, Alemanha e EUA ~ uma sensação muito doida e linda poder compartilhar estes versos aprendizes com tantos de nós, em tantos lugares ~ em tempos de obscurantismo do saber e da produção do sensível e crítico, agradeço a todos que nos acompanham, às escolhas que fizemos e por termos resistido até aqui ~ hoje percebo que já não quero mais seguir apenas como resistência, me acomodar em ser uma espécie de sobrevivente ~ quero e acredito que podemos construir e florir, dar um passo além no mundo dentro da força e da beleza que somos ~

A fé de Francisca

Queridos amigos de CUIABÁ,
neste sábado, as 17h no Sesc Arsenal, inaugura a exposição documental “A Fé de Francisca”, de Henrique Santian sobre vó Francisca, benzedeira de 104 anos da Chapada dos Guimarães 🙏

Um registro íntimo, cheio de afeto e sensibilidade sobre a força e missão raras desta entidade de puro Amor e serviço a humanidade. Tenho a honra de participar deste momento precioso com uma canção para a vó, composta em parceria com Paulo Monarco, a ser apresentada junto a outras homenagens de artistas da terrinha.

Vó Francisca é a presença de maior fé e pureza de coração que já senti. Uma vida centenária dedicada a cura e a caridade. É muita beleza e muito Amor. Um acontecimento emocionante, histórico. Venham

A pequena joia de Jade

Essa semana recebi uma crítica de Anna Amelia Marimon sobre meu livro “Canção da Liberdade” que me emocionou muito. Agradeço os versos e olhar generoso sobre essas palavras que tanto me ensinam. Quando recebo algo assim, fortaleço o caminho de seguir publicando e acreditando cada vez mais nestes sentires que chegam por mim e pertencem & crescem por todos nós.

Aqui o link para leitura completa http://www.cidadaocultura.com.br/pequena-joia-de-jade/

O livro segue a venda em uma segunda edição artesanal e independente, com um poema a mais em espanhol. Pedidos no email jaderainho@gmail.com e mais informações no site www.jaderainho.com

 

gracias y ternura!

 

crítica da escritora Silvia Schmidt sobre Canção da Liberdade

Muito feliz e grata em te alcançar, tocar e receber estas palavras.

Abaixo, reproduzo a crítica enviada pela escritora Silvia Schmidt sobre meu livro de poesia “Canção da Liberdade”.

***

Comoção –

Foi de comoção minha experiência após ler Canção da Liberdade de Jade Rainho-moça linda que conheci em seus e meus tantos caminhos nas estradas da existência. Em uma manhã de Domingo dia de feira -na pequena vila de Caeté Açu no Parque Nacional da Chapada Diamantina-BA- ano de 2014-15. Foi uma conexão imediata. E depois na Festa Literária de Paraty ano em que as mulheres em auto publicações tornaram este evento um dos mais impactantes e inclusivos- a festa como festa na FLIP 2017.

Jade ave transformando vida em versos ousados [a fuga do centro do conforto]
ao mirar novos lares e universos [a transformar e transmutar-se] em canção em ritmo em criativas janelas.

Quando da primeira leitura o sentimento foi tal que precisei parar de ler este livro de poder- meus olhos eram apenas lágrimas em cascatas- o que deveríamos ser.

Cascatas, rios riachos e flores aves e afetos em versos encaixados encadeados ritmos das canções d’almas- pachamamas- peregrinas e viandeiras. Elaborados em sua visualidade em espaços também livres na folha de papel pólen bold 90G- folhas que a escolheram e escolhidas foram por suas mão de poeta: “Um livro Mágico feito de aprendizados como ela mesma nos lembra em sua contracapa

– ela uma – andorinha dourada- “abrigando entre as asas pedaços do céu”.

Agora em minha segunda e completa leitura – neste final de beleza pungente – eu sucumbi novamente a esta comoção a esta voz plena em pausas em explosão.

Coube-me neste universo nestes cantos o mundo aos quais ela generosamente nos transporta:

Vêneto, Itália verão de 2009

Cuyabá outubro de 2010

Ponta da Liberdade, Algarve Portugal

Porto Alegre

Penápolis

Budapeste

Largo Santa Cecília, centro São Paulo

Ligúria, Itália

Caeté Açu verão de 2015[aqui nosso tempo e nosso espaço de encontro]

Nestes lugares o seu tempo-espaço de vida [a física quântica nele inscrito]

“na impulsão original
inaugura a nova física
ilumina os mistérios

do cosmos”

Jade Rainho um pássaro de asas quebradas sua alma sua palma porque acrescenta na forma no sentido nesta amplitude impensável em um livro pocket- imensidões e potências reavivadas em significados. E a janela então seus braços abertos sua inteligência concreta [trabalho com o sentido visual- significante- a parte material do signo linguístico] em

] ] ] ] ] ] ] ] ] ] abro a janela [ [ [ [ [ [ [ [ [ [

Assim como em O APRENDIZ DE SIGNIFICAÇÕES
OU PALAVRAS REGADAS AO VENTO

Para Manoel de Barros

Livro síntese Canção da Liberdade versos universais abertos para o Amor

“Amor maior que mentira de pescador” que síntese essa- que síntese- neste
vasto repertório metalinguístico [espanhol inglês tupi guarani grego italiano]

enfim poiésis no sentido platônico [“ poiésis expressa o sentido geral do verbo poiéo,

que significa produção, fabricação, criação.

Livre e leve como uma pena- presente na obra.

Gratidão [somente para os que entendem]

Por Sílvia Schmidt escritora editora poeta

Referência ; http://topicosespeciaispoetica.blogspot.com.br/2011/08/o-conceito-grego-de-arte-mimesis-techne.html